segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

Conto de Natal: Onde está o espirito Natalino?

Olá, queridos leitores! Tudo bem com vocês?

Então é natal! Ops ainda não, mas já está chegando meus amores! E nada melhor do que ter posts inspirados nessa data, eu adoro! São inspirações e muitas reflexões. Hoje eu trouxe um conto escrito por mim em relação ao natal e ao meu ver sobre isso. Bora conferir?

(Imagem: Tumblr)

É noite, véspera de natal. O mundo inteiro está comemorando o nascimento de Jesus.

E lá está ela, sentada no sofá da sala de estar. Um sofá de couro preto, confortável e macio. Em volta está seus familiares, pais, avós, tios (as), primos (as), amigos (as). As crianças estão na sala em volta daquela Árvore simbólica, com folhas perenes, enfeitada com bolas coloridas, laços dourados, meias natalinas, fio com diversas lâmpadas e embaixo tem pinheiros espalhados juntos com os presentes. A ansiedade das crianças já é de se esperar. 

Enquanto isso, ela somente observava ao seu redor.

Uma cena chamou a sua atenção, sua tia estava tentando acalmar sua prima de 4 anos que chorava aos berros, porque queria pegar os presentes debaixo da árvore e abri – lós. A mãe deixou em cima da estante o copo que estava segurando na mão, agachou – se bem perto da filha e a aproximou para perto rente ao seu colo. Deu um sorriso torto e enxugou as lágrimas da menininha, que estava vestindo um vestido com fita rosa claro.

- Mãe, porque não pode abrir os presentes?

- Porque, precisa esperar a hora. O papai Noel deixou esses presentes antecipado e só podemos abrir mais tarde. Ele vai ficar chateado se abrir agora, entende querida?

-  Mãeee, quem é esse papai Noel?

- É um velhinho, que traz presentes para as crianças bem-comportadas.

- Eu vou ganhar?

- Vai, se você se comportar.

- E eu vou poder ver o Noel?

- Não, filha!

- Porque?

- Porque...... ah...porquê.... Ele vai estar muito ocupado e hoje ele trouxe antecipado, tem muitas outras crianças que ele irá visitar.

- E como ele traz esses presentes?

- Com um trenó, duendes e renas.

- Uma amiguinha da escola disse, que é os pais que colocam os presentes nas Árvores e que o papai Noel não existe. Que no shopping é um homem vestido.

- Existe sim, basta acreditar!

- Mas, vocês que compram! Mamãe, será mesmo que esse papai existe?

- Olha minha filha, vou te contar a verdade. Não existe, é eu e o papai que compramos na loja e colocamos na árvore, mas de qualquer forma você irá receber. O papai Noel é algo simbólico, que um dia você irá saber.

A criança olha para mãe com cara de desapontada e vai brincar com as outras crianças lá fora. A mãe respira fundo aliviada por falar a verdade, engole em seco, deixando para trás a tradição. Já que não esperava que iria ser pega de surpresa.

A jovem que observava tudo, sentia saudades da sua infância e das tradições que eram mais severas antigamente. Ela repara que cresceu rápido demais e que não é mais aquela criancinha que esperava ansiosa para ganhar brinquedos de presente. Aquela magia natalina, que o Noel saia do polo norte no dia 24 e vinha entregar os presentes voando com o seu trenó e uma rena na frente, não existiam mais na sua imaginação. Fantasias natalinas... A sua mente agora é outra, " Os presentes são os familiares que compram nas lojas e a celebração quando der meia noite, todos vão embora, já que ninguém não tem mais o pique de antigamente".

E então inconformada a jovem, olha em direção a poltrona onde está uma senhora acomodada ali, numa posição confortável. Ela repara o quanto sua avó, é bem de idade, deveria ter seus 76 anos de muitas experiências vividas. Sua pele tinha aspecto enrugado, olhos ligeiramente baços, cabelos grisalhos e uma expressão solitária em seu rosto.

- Vó, eu não entendo! Cadê a velha tradição Natalina?

- É mesmo, minha querida. Antigamente, o Natal era uma oportunidade para reunir a família em torno de uma mesa repleta de guloseimas e de sorrisos satisfeitos. Era uma data mais tranquila. As pessoas organizavam tudo com antecedência, hoje é tudo em cima da hora. E o presente, o que importava era aquele pacote bonito, com aquela fita vermelha, a felicidade estava em abri-los.

- É exatamente o que eu penso... hoje meio que desanima.

- O espirito natalino envelheceu. As pessoas deixaram envelhecer...

- Concordo.

- Olha que sua outra Tia, não foi convidada pra vir. Foi por causa daquela briguinha familiar. A família não está tão reunida assim..

- Pois, é...

- E os namoradinhos?

- Não tem nenhum. Prefiro ficar só, sem decepções. Até nisso mudou, os amores hoje em dia são raros, já que as pessoas tem a mania de chamar tudo de amor.

- Tudo mudou, querida. Tudo mesmo.

Papo vem, papo vai! As horas vão passando rapidamente, o relógio insinua que já é tarde. A mesa lá fora, está servida. A garota levanta dali e vai até a mesa, sua barriga está roncando. Ela repara as gostosuras que tem exposta naquela mesa,carne assada, arroz temperado, salada, macarrão ao molho branco, farofa, pernil assado. Pensou consigo mesma "não fizeram questão de comprar o peru, tradição de natal. E chocotone e panetone também não compraram".

No final da noite ,quase chegando 25 de dezembro. A garota senta novamente na sala, para curiar o momento. Todos estão ao redor, as crianças sentadas no chão em volta da Árvore e os adultos, alguns sentados e outros de pé. A expressão alegre aparenta naquelas crianças, um olhar brilhoso é esbanjado de harmonia e felicidade. A jovem se deu conta que de muitos pacotes que estavam ali, somente um era seu. Enquanto o resto era somente brinquedo infantil, que se espalhava pela sala conforme iam abrindo. Ela abriu o pacote com fita vermelha e deu um sorriso " Uma correntinha de ponto de luz." não era o que tinha desejado, mas era algo que a agradava. Agradeceu sua avó com um beijo estalado, sorriu e desejou um " Feliz Natal", meio empolgante.

Voltando para casa, a jovem ficou observando pela janela do carro. Reparou que as casas, não estão mais enfeitadas, sem Árvores banderosas, sem decoração, sem luzes de natal, estão vazias de comemoração. Sem pensar duas vezes, ela deixa sua mente falar com razão:" Sem decoração! deve ser por causa da crise, economizar energia e dinheiro e uma hora dessas todos devem estar dormindo, olha essa rua, uma cidade vazia e enlouquecida". Com cara desapontada, olhos abertos e esperanças vazias, repara que o que sua avó disse é plena verdade. Que o espirito natalino, está indo embora a cada ano e as pessoas não estão dando valor a tradição.

A jovem enfim, chega na sua casa. Subiu as escadas, tirou a roupa do corpo e aquele salto que estava doendo seus pés, colocou seu pijama de bolinhas, deu uma olhada nas redes socias sobre o que o pessoal estaria postando.Ela bloqueia a tela do celular e coloca pra carregar. Em seguida acomoda - se na cama e com papel, caneta na mão, resolve escrever uma carta para o papai Noel, mesmo sabendo de todas as verdades... 




E aí gostaram do conto? Concordam que as pessoas envelheceram o espirito natalino? Deixe seu comentário.
Beijos
Natalia Almeida

12 comentários:

  1. Amei! Adoro contos natalinos, bom tema, é a mais pura verdade também sinto que o espirito natalino esta morrendo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, obrigado <3 fico feliz por ter gostado!
      Infelizmente..
      Beijos

      Excluir
  2. Que legal seu texto! E concordo, esse espírito a gente mal vê hoje em dia. Mas também, em meio a tanta coisa acontecendo, acho que não tem mais clima mesmo. =/

    Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, que bom que gostou <3 É, Pathy! tem muita coisa que junta e desanima mesmo, principalmente família sem união.
      Beijos

      Excluir
  3. Ficou lindo o conto, muito real!
    Esse ano tô demorando pra entender que já já é Natal, acredita? D:


    Beijo,
    www.vitaminatrendy.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, fico feliz por ter gostado <3
      Eu também! Já é dia 21, e eu to tipo em novembro ainda rsrs.
      Beijos

      Excluir
  4. Oii! Adoro contos de Natal, e com o seu não foi diferente. Acho que o espírito tem sim se perdido, a vida está muito agitada e acho que as pessoas nem param pra pensar nisso... enquanto isso, nas lojas o Natal chega cada vez mais cedo, mas na nossa casa parece que não é a mesma coisa x)
    Saudades dos Natais na casa da minha avó, quando eu era pequena x)
    Beijos!
    http://tipsnconfessions.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie! Ah que bom que gostou, fico feliz <3
      Você tem toda razão!
      Eu também tenho saudades de passar natal na casa da minha avó, foi se o tempo.
      Beijos

      Excluir
  5. Oi oi <3 Olha la o blog, tem um presente pra você

    derepentemodaa.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Eu amei o conto! E concordo muito com você, até postei sobre isso no blog...

    xox
    Próxima Primavera

    ResponderExcluir

Criado por De Repente Moda - créditos

Tema Base por Butlariz