quarta-feira, 15 de março de 2017

Conto: O despertar do Vampiro

(Crédito Imagem: weheartit.com)

Sexta - feira de um luar, mas não era um luar qualquer. Ema e sua amiga estavam voltando de uma festa a pé, a escuridão as acompanhavam em repleto silêncio noturno,os caminhos que passavam não eram tão movimentados como os outros. O ponteiro do relógio dizia que era 2h da manhã em ponto. 

A cada esquina que viravam, o medo aumentava a cada batida de seus corações. Qualquer momento poderia aparecer pessoas de má fé. Ema sempre levava consigo um estilete afiado dentro da bolsa e Marina tão pouco preocupada, não carregava consigo alguma arma com ponta afiada, mas seu esqueiro do qual ascende seu vicio ( cigarro) poderia servir de defesa. Madrugadas não são confiáveis, muitas surpresas podem surgir. 

O vento soprava em uma melodia sem fim.

Depois de uma hora, chegaram ao portão da Casa da Tia de Marina.

- Você tem certeza de que quer ir sozinha? Posso pedir para meu primo te levar.

- Tenho!  Você sabe que eu e seu primo nem conversamos mais e minha casa nem é tão longe assim.

- Toma cuidado, quando chegar na sua casa me manda mensagem.

- Ok.

A noite caiu e Ema continuava a andar se estreitando pelas ruas. Passou por um beco bem escuro, um vulto vinha atrás dela. Olhos brilhantes a observava com frieza, mas ela nem sequer prestou atenção.

De repente um gato vem em sua direção correndo. A garota olhou pra trás e percebeu que alguém estava a seguindo.

O vulto começou a andar mais rápido.

Ema começou a correr e o vulto também.Só que ele corria bem mais do que ela, sua velocidade é perceptível. Ela não aguentava mais correr, mas o vulto tinha desaparecido. Quando olhou para o lado, algo a segura com muita força, uma força inabalável.

A garota abriu os olhos e percebeu que estava em um lugar totalmente desconhecido. Suas mãos e seus pés haviam sidos amarrados em volta da cadeira. Olhou para o lado e pode ver os dois dentes caninos pontiagudos. Era um vampiro!

Ema observou todo o cenário, velas pretas pelo chão e algumas coisas velhas espalhadas por ali.

- Me solta! Socorro. - Gritou

- Pode gritar a vontade, ninguém irá escutar! - Disse em um tom alto. - Eu quero seu sangue escorrendo pelos meus lábios..

- Socorrooo.. - Gritou mais alto que podia.

Não adiantava gritar, por ali não passava nem uma alma penada.

O vampiro finca suas garras no pescoço da garota, sugando todo seu sangue. Ele sabia que o gosto era bom, tão viciante.. já fazia séculos que não se alimentava de sangue humano. Sua vontade incontrolável veio a tona, gotas de sangue estavam espalhadas por toda sua boca. Quando acabou sua refeição, a vontade era de mais...mais.. e mais...

A Vitima já estava perdendo a respiração, até que a soltou brutalmente. Em seguida limpou sua boca. 

Ema foi colocada deitada no chão, sua roupa estava toda rasgada e suja, havia sangue por toda roupa.

O sangue suga olhou para o relógio impaciente e com medo. O ponteiro marcava 5h da manhã.

" Apenas questão de horas, não vai demorar tanto."

Então o vampiro deu um sorriso sarcástico e foi se embora com as trevas.

Mais tarde a vitima se levanta dali, se sentindo bem mais viva do que antes. Ela sai do lugar abandonado e seguiu em frente, indo para casa.

O dia amanheceu com o tempo nublado. Ema continuou andando, desta vez era bem mais rápido, seu corpo dizia entre linhas que não era mais a mesma de antes: Pele pálida, olhos vermelhos, dentes caninos pontiagudos, coração sem bater, pulsos pausados, velocidade fora do comum e beleza admirável... sede por sangue...

Havia se tornado uma vampira Intrigante...



E ai gostaram?! 
Deixe seu comentário!
Beijos
Nah Almeida

2 comentários:

  1. Uau! Que conto!
    Parabéns pelo blog!
    Já estou seguindo o blog e curtindo a fanpage. Sucesso! ;)
    Beijinhos da Jacky.
    http://www.estilosaefeminina.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada <3 fico feliz por ter gostado!
      Seja bem vinda e volte sempre!
      Beijos

      Excluir

Criado por De Repente Moda - créditos

Tema Base por Butlariz